Crônicas

ASSOVIAR E CHUPAR CANA

ou – o vasto signo de Gêmeos

Tenho uma amiga que costuma dizer que a gente precisa criar a “oficina do mapa astral”. Você não gosta do seu mapa? Tem uma característica sua que você definitivamente não convive bem? Você acredita que precisa de uns ajustes de temperamento aqui e ali? Pra estas e outras cositas más, existiria a “Oficina do Mapa”. Eu já idealizei meu mapa recriado, cerzido e rebordado várias vezes e sempre penso que o ideal seria que esse novo eu fosse geminiano. Preciso confessar: eu sempre tive inveja desse signo.

Quem consegue fazer zil coisas ao mesmo tempo, sem que nada lhe escape, senão um típico geminiano? Eu acho que os signos de ar podem até levantar cedo da cama, mas acordar mesmo só se dá um tempo depois. Bem, nem todos os signos de ar, porque Gêmeos parece estar em transe nas primeiras horas – mas só parece, – enquanto os demais seres lerdos matinais ruminam o sono, o geminiano faz todas as elucubrações mentais possíveis – e a partir daí cumprem sua agenda com energia. Sabe aquela mulher hiperativa dos comerciais de vitamina? Aquela que acorda sorrindo, leva as crianças pra escola, vai pro trabalho, almoça com um cliente, faz happy hour com uma amiga, pega as crianças na volta e ainda prepara um jantarzinho especial pro marido, enquanto fala com alguém no telefone e fecha a porta da geladeira com o pé nas costas? (ufa!) Pois é, geminina. Os comerciais só mentem numa parte: essa mulher não precisa de vitamina. Eu, por exemplo, só pra descrever essas atividades, preciso tomar meu ginseng.

Mulheres geminianas fazem faxina com frescor, já reparou? São enérgicas, rápidas, fazem a limpeza dançando entre um cômodo e outro, com desenvoltura e eficiência – e parecem recém saídas do banho. É irritante! Eu quando faço faxina… bem, viro uma bruxa de plantão e não falta nem a vassoura. Nas questões do coração, as geminianas são práticas sem perder o romantismo. Resolvem os quiproquós de relacionamento sem perder o rebolado – até porque quando dão pra rebolar, baixam logo de Carmem Miranda. Não tem nhem-nhem-nhém.

Geminianos em geral são cheios de bossa, charme, transbordam em ideias, costumam despistar a solidão e não dar muita chance pra melancolia. Eles não tem paciência ou persistência pra ruminar rancores e pra guardar mágoas. Eles sabem que figurinha repetida não completa álbum, que não dá pra adubar bananeira que já deu cacho e que a fila tem que andar – até porque geminianos não ficam parados na fila. Enquanto ela anda, eles leem o último capítulo daquele livro, marcam um cineminha pra mais tarde pelo celular, organizam a bolsa e fazem amizade com quem mais está por ali sem a menor imaginação, apenas esperando a fila andar. Você só não pode querer, que em meio a tanto alinhavo, eles cheguem na hora marcada ou respondam às suas expectativas. Releve porque ele mesmo já vai estar ocupado com alguma outra coisa enquanto você fica aí amuado e à toa.

Os geminianos querem muitas coisas ao mesmo tempo, é verdade, o que faz com que muitas delas não aconteçam mas, eles se alimentam de quereres e afazeres e com isso, nutrem e dão colorido à vida. Não será necessário dizer a um geminiano que ele precisa de um tanque de roupa suja pra lavar – ele literalmente tem mais o que fazer. Sempre tem. Por essas e outras, é que se existisse uma oficina do mapa, eu daria um jeitinho de ser uma geminiana ou, pelo menos, “arrastaria” alguns planetas pra esse signo. E enquanto estivesse escrevendo esta crônica, (só isso?) poderia estar de olho num documentário na tv, agendar o dia de amanhã, ajudar o filho no dever da escola, assoviar e chupar cana.

Sobre o autor

Claudia Letti

Claudia Letti

Jornalista, Escritora, Chef e Astróloga. Vive no Rio de Janeiro.

Comentar

Clique aqui para comentar